21/06/2018 às 18h32min - Atualizada em 21/06/2018 às 18h32min

Família que tem 15 pessoas com 6 dedos, nas mãos e nos pés, diz que confia no hexa

Brasilienses ficaram conhecidos na última Copa quando Brasil também buscava hexa. Mutação genética foi herdada de advogado que ajudou a fundar Clube do Choro no DF.

Por Marília Marques, G1 DF
G1
'Família hexa' tem 15 pessoas com 6 seis dedos nas mãos e pés (Foto: Marília Marques/G1)

Apesar da conquista do hexa não ter ocorrido na Copa de 2014, os Silva dizem estar confiantes que dessa vez o Brasil conquista a Copa. "O hexa tem que sair, estamos confiantes. A seleção está muito boa", diz a administradora Silvia dos Santos Silva.

Para o primeiro jogo do Brasil, no domingo (17), a família se reuniu em um condomínio em Águas Claras. Eles torceram junto com amigos que "infelizmente nasceram só com cinco dedos", brincam.

Em homenagem ao hexa – o da família e o que a seleção busca – cada um dos Silva vestiu uma camisa com o número 6. Nesta sexta (22), prometem repetir o ritual e apostam na vitória.

 

"Pelo menos, 2 a 0 a favor da seleção brasileira."

 

Entre os jogadores preferidos, eles listam Neymar e Marcelo. "Acho que é melhor seleção dessa Copa do Mundo, diferente da outra [2014]", afirma o estudante João Assis, de 18 anos.

 

João Assis, de 18 anos, mostra mão com seis dedos (Foto: Vianey Bentes/TV Globo)

 

Seis dedos

 

A variação genética que fez 15 dos 22 membros da família Silva nascer com seis dedos nas mãos e nos pés é a polidactilia. Sílvia, filha de Francisco de Assis Carvalho da Silva, conta que dos quatro filhos do músico, três – incluindo ela – nasceram com seis dedos.

Netos e bisnetos herdaram a anomalia e dizem estar acostumados a lidar com olhares curiosos de quem percebe, mas não entende, a "marca da família", como cita a advogada Ana Carolina Silva.

 

"Muita gente presta a atenção, vê que tem algo de diferente na mão, mas não entende. Outras pessoas não têm coragem de perguntar."

 

Ao G1, Ana Carolina explicou que por ter a mão maior do que a média das pessoas, costuma ouvir com frequência brincadeiras sobre o dedo extra. "A clássica é se na manicure eu pago mais caro".

Sorrindo, ela já emenda a resposta, "digo que não, porque lá se paga pela mão e pelos pés feitos". Mas tem uma excessão.

 

"Para fazer a unha decorada é mais caro, cobram por quatro dedos a mais, nas mãos e nos pés."

 

 

Aceitação e adaptação

 

Os Silva dizem que aprenderam a ver e conviver com a mutação genética. Na "família hexa" as crianças são ensinadas desde pequenas a valorizar a diferença. Maria Morena, de 12 anos, toca piano desde os 10 e lembra que o professor precisou adaptar as técnicas para ensiná-la a usar o instrumento.

A recomendação dada pela mãe da menina foi a de sempre usar o dedo nos exercícios. "É um dedo funcional, tem que usar". Maria conta que assim que aprendeu as técnicas sentiu que ter o "dedo extra" tornava o movimento "mais fácil".

 

"Consigo alcançar mais teclas do que a maioria das pessoas e ter mais agilidade entre as notas".

 

Práticas do dia a dia também, foram adaptadas. Silvia, por exemplo, na hora de escrever segura a caneta entre o segundo e o terceiro dedo. Eles encontraram até um jeito de expressar o número 5 com as mãos. Ao invés de mostrar a mão completa, costumam dobrar um dos dedos.

Agora, quando vão apontar algum objeto, às vezes causam um certo incômodo. Silvia explica que a família usa dedo do meio, que desempenha a função de indicador. "Mas gera confusão", diz ela.

 

"Acham que estamos fazendo 'aquele gesto'."

 

 

Na escola, os mais jovens da família também aprenderam a naturalizar a condição. Com seis dedos também nos pés, os meninos dizem lidar bem com a situação, apesar de evitarem usar sandálias de dedo, que normalmente "não ficam bem".

Entre as meninas, a família optou por retirar um dos dedos do pé ainda quando são bebês. O motivo, além de estético, é a dificuldade em encontrar sapatos femininos mais largos, feitos para quem tem seis dedos.

 

 

Interesse científico

 

O dedo que dá aos Silva o título de "hexa" está localizado entre o polegar e o indicador. O movimento de pinça, normalmente usado para segurar objetos é feito com ele, que tem um papel funcional no corpo.

Na medicina, segundo explicam os membros da família, há poucos registros pessoas nesta mesma condição. Devido à transferência hereditária da polidactilia para tantos parentes, dois membros da família Silva – o estudante João, de 18 anos, e a administradora Sílvia foram chamados para um estudo em uma universidade alemã.

Na Europa, os dois passaram por testes de força, responderam a questionários e fizeram exames para descobrir qual a região do cérebro é ativada quando movem o "dedo extra". Até esta quinta (21), o resultado ainda não tinha sido divulgado. Quando houver uma conclusão, o estudo será replicado em pessoas que perderam o movimento de algum membro, por exemplo.

No DF não é possível estimar o quão frequente é a característica de um sexto dedo com uma função evidente, mas, segundo especialistas, é possível dizer é que "entre 3% e 5% dos bebês nascem com algum defeito congênito, e que os dedos a mais são os mais recorrentes".

A alteração genética está ligada à hereditariedade e, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, não há fatores externos que possam desencadeá-la. O mais comum é que a pessoa nasça com apenas um dedo a mais em cada membro, mas há casos em que a mutação vem acompanhada de lábio leporino ou de doenças no coração.

Embora geralmente os dedos a mais funcionem bem, a cirurgia para extraí-los costuma ser recomendada. O tratamento é oferecido pela rede pública do DF, mas a mudança nas mãos não chega nem a ser cogitada pela família Silva.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »