10/05/2021 às 11h41min - Atualizada em 10/05/2021 às 11h41min

COLUNA do Milton Carmona | Autazes Pecuária leiteira

REDAÇÃO
REDAÇÃO
Milton, É um Engenheiro Agrônomo formado na Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Autazense raiz, neto do saudoso Miguel Cardoso, filho do Sr. Carmona e Erineia Rebelo, Milton está sempre atento aos assuntos relacionados ao setor primário de Autazes, com paixão pela sua área de formação e pelo setor, resolve escrever essa coluna.

Quando falamos de terra do leite, pensamos logo nos seus derivados, queijos, iogurtes, doces, etc. correto? mas devemos também pensar na produção desse leite e nos desafios enfrentados pelos pecuaristas, aqui vou explanar o assunto de forma vaga e ampla. 

A criação de vacas leiteiras no campo é uma atividade que toma todos os dias do mês e o trabalho começa antes mesmo do raiar do sol. Todos os dias os vaqueiros (peões) acordam e vão para o curral iniciar a ordenha das vacas, simples assim né? Claro que não! Esses vaqueiros, levantam da cama ainda na madrugada, vão para o curral, e começa todo o processo da ordenha: separar as vacas, pear, prender o bezerro ao pé da mãe e começar a ordenha, uma vaca por vez. 

O leite vai para a fabricação de queijo e seus derivados, algumas fazendas produzem os próprios queijos outras vendem o leite para queijarias e fabricas de laticínios..., mas, pela lógica, o leite vem antes do queijo, a vaca vem antes do leite... e antes da vaca vem o que? Bom meus caros leitores, antes, vem os cuidados com esses animais, vem a pastagem, a capineira, vem as cercas dos currais e das extremidades das fazendas, vem as vacinas, vem os remédios para tratar alguns problemas, vem os gastos com veterinário quando são solicitados, vem o pagamento dos funcionários, etc. sem contar os transportes de animais em época de várzea e terra firme. 

Um dos pontos cruciais na produção de vacas leiteiras é a alimentação. As pastagens devem ser adequadas para esses animais, o teor de proteínas fornecidos adequadamente compensa na produção de leite. Não é fácil manter uma boa pastagem, mas também não é impossível, portanto, deve-se ter um cuidado com o solo antes da implantação do pasto, análises para verificar a acidez e nutrientes deste solo, gradear, arar, jogar calcário, repor nutrientes através de fertilizantes, jogar as sementes e aguardar o crescimento do capim. 

Os fertilizantes mais utilizados na adubação das pastagens do município, é uma formulação conhecida como NPK (Nitrogênio, Fósforo e Potássio).  E mais uma vez vou bater na tecla a respeito dos custos desses nutrientes e a logística para chegar até a sede do município e da sede para as fazendas. O custo da compra de fertilizantes é alto devido ao frete e a logística para a chegada desses insumos ao município, e mais complicado ainda é levar esses insumos para as fazendas que em sua grande maioria o único meio de chegar é por via fluvial. 

Esses são apenas alguns desafios dos pecuaristas para a produção de leite e seus derivados, lógico que tem muitos outros fatores que influenciam nessa produção e só quem vivencia todos os dias podem expor de forma mais detalhada. 

Apesar de todos os desafios enfrentados pelos pecuaristas, o nosso queijo é conhecido em todo o Estado e tem fama de O MELHOR QUEIJO DO AMAZONAS. 

Na próxima coluna, irei comentar a respeito da produção de queijo em Autazes nas fábricas e nas fazendas... 

  

Abraços, 

Milton Carmona.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »