22/11/2021 às 14h22min - Atualizada em 23/11/2021 às 00h00min

Especialista alerta sobre doença pulmonar obstrutiva crônica que mata cerca de 40 mil pessoas no país

SALA DA NOTÍCIA MP & ROSSI COMUNICAÇÕES
DIVULGAÇÃO
Cada vez mais conhecida, a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é caracterizada pela diminuição de ar nos pulmões e compõe um grupo de doenças respiratórias, como bronquite crônica e o enfisema. O pneumologista Valter Eduardo Kusnir, do Hospital Santa Casa de Mauá, explica que a doença é uma resposta inflamatória às toxinas inalatórias e está ligada ao tabagismo, cerca de 85% dos casos.

Segundo a OMS - Organização Mundial de Saúde, até 2030 a previsão é que a doença se torne a terceira causa de morte no mundo e a quarta no Brasil, pois cerca de 40 mil brasileiros morrem todos os anos em decorrência de suas complicações. É importante frisar que cerca de 15% dos tabagistas desenvolvem a DPOC ao longo da vida. 
A exposição à poeira, poluentes e gases químicos também podem contribuir para o aparecimento da patologia, além de um fator genético, como a deficiência de alfa-1-antitripsina. 

O processo inflamatório provoca alterações nos brônquios, bronquíolos e parênquima pulmonar e o sintoma mais comum é a falta de ar que, no início, pode ser discreta e, com o tempo, se tornar intensa. Nos casos mais avançados, a falta de ar ocorre com o paciente em repouso e em atividades simples do dia a dia. Porém, as tosses e o encurtamento da respiração são outros sintomas que podem ocorrer. 

O diagnóstico é feito a partir de um exame físico, radiografia de tórax, exames de sangue, histórico do paciente e por um exame de espirometria, o qual avaliará a capacidade ventilatória pulmonar. “Com o diagnóstico o tratamento deve ser iniciado imediatamente, já que atualmente há medicamentos cada vez mais específicos, os quais são eficazes, até nas fases mais avançadas da doença aumentando o volume da capacidade respiratória do paciente. É aconselhável que os fumantes mantenham uma rotina de exames anuais a fim de evitar que o dano seja irreversível. A melhor prevenção e tratamento para a DPOC é não fumar”, alerta o médico Valter Eduardo Kusnir.

O tratamento envolve prescrição de broncodilatadores, anticolinérgico e medicamentos à base de cortisona, além de fisioterapia respiratória. Nos casos mais graves, a oxigenioterapia poderá oferecer mais conforto e sobrevida ao paciente.

De acordo com a Global Initiative for Chronic Obstructive Pulmonar Disease, a maioria das respostas positivas para o seguinte questionário podem identificar a DPOC: você tosse várias vezes na maioria dos dias? Você tem catarro ou muco na maioria dos dias? Você fica sem fôlego mais facilmente do que outras pessoas da sua idade? Você tem mais de 40 anos? Você é fumante ou ex-fumante? 

Fundado há 55 anos, o Hospital Santa Casa de Mauá está localizado na Avenida Dom José Gaspar, 1374 - Vila Assis - Mauá - fone (11) 2198-8300.  https://santacasamaua.org.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »