Pai e sogro também são investigados em caso sobre morte acidental de jovem

O tiro que tirou a vida da adolescente Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, partiu da arma de G.F.M.C.D.C., de calibre 380. A arma utilizada seria do pai do namorado da adolescente. A menina prestou depoimento durante 7 horas ao delegado Olímpio da Cunha Fernandes Júnior, responsável pelas investigações do caso, que constatou que o crime não se trata de homicídio doloso, e sim de um culposo, quando não há intenção de matar.

E, por conta disso, o caso será encaminhado à Delegacia Especializada do Adolescente (DEA), a informação foi confirmada pelo delegado Olímpio. Tanto o pai da adolescente quanto o sogro devem responder pelo crime.

Na casa foram encontradas sete armas de fogo, sendo uma em nome do pai da adolescente que atirou, quatro em processo de documentação junto ao Exército Brasileiro e mais duas em nome de uma terceira pessoa, G.F.M.C.D.C.. O que culminou na prisão em flagrante do pai da adolescente por posse ilegal de arma. O homem pagou fiança e foi liberado em seguida.

Pai e filha prestaram depoimento no mesmo dia. A reportagem apurou que adolescente passou mal quando chegou à delegacia e precisou ser medicada.

O fato ocorreu no segundo andar em uma suíte, longe da entrada da casa. Segundo o boletim de ocorrência, o corpo da vítima estava no banheiro já sem vida. O tiro atingiu a adolescente na narina e saiu pela nuca.

Quando o Samu chegou a casa para verificar a situação de disparo acidental de arma de fogo, somente pode constatar a morte de Isabele. Consta no BO que, após a confirmação do crime, a parte superior da casa foi preservada e ninguém mais teve acesso ao local. Consta na ocorrência registrada pelo médico do Samu, que em relatos, a adolescente que disparou, frisou que atirou acidentalmente.

Fonte: Mídia News

ASSISTA O VÍDEO ABAIXO

× FALE CONOSCO